Silicone por cima do músculo ou por baixo: qual o melhor?

Quem decide fazer uma cirurgia para colocar prótese nas mamas costuma pesquisar bastante sobre o procedimento, para saber exatamente o que vai acontecer. É nesse momento que uma dúvida frequente aparece. É melhor colocar o silicone por cima do músculo ou por baixo?

Se você já leu sobre as técnicas existentes, provavelmente já viu que essas duas possibilidades são reais. Cada uma delas tem suas vantagens e indicações. Veja as diferenças e como a decisão de silicone por cima do músculo ou por baixo será tomada. 

Quais os métodos de implante de silicone no seio

Antes de decidir se é indicado colocar o silicone por cima do músculo ou por baixo, há muitos pontos a serem avaliados. Claro que o primeiro deles é o desejo da paciente e o tamanho do implante que ela deseja. Além disso, o médico irá avaliar as medidas do tórax, pois os maiores suportam próteses grandes. 

Muitas vezes, é possível que a mulher faça um teste e coloque a prótese com sutiã para ver como vai ficar e o que mais gosta. Além disso, há casos nos quais um programa pode simular a imagem com o resultado esperado após a colocação do silicone. Apenas depois disso a discussão sobre colocar silicone por cima do músculo ou por baixo será realizada. 

Como funciona a escolha da técnica

É possível que a paciente decida sozinha se quer colocar silicone por cima do músculo ou por baixo? A resposta é “não”. Há vários pontos que precisam ser avaliados. Por isso, é necessário discutir a técnica com o médico, antes do procedimento ser agendado. 

Também deverão ser decididos o tipo de prótese de silicone e o local da incisão, pois essa será a região na qual ficará a cicatriz. Contudo, é sabido que o implante de silicone pode ser colocado em uma das seguintes regiões:

  • Submamária ou subglandular: que fica entre o tecido mamário e o músculo peitoral;
  • Subfascial: que consiste na colocação entre a fáscia do músculo peitoral e o músculo peitoral;
  • Submuscular: coloca a prótese em uma região mais profunda, que fica entre o músculo peitoral e a parede torácica.

A decisão do local no qual a prótese de silicone será colocada vai depender da quantidade de tecido mamário existente para cobrir o implante, bem como na avaliação, feita em conjunto entre médico e paciente, das vantagens de cada uma delas. 

Posições submamária e subfascial

Como o implante não se move com a contração muscular, acredita-se que nesta técnica possa existir menor chance de distorção da mama. Isso faz com que o resultado estético possa ser ainda mais agradável para a paciente. 

O pós-operatório também costuma ser mais tranquilo e em menor tempo a pessoa consegue voltar à rotina. Isso é possível porque como a musculatura não é muito afetada, o trauma é menor e, consequente, a recuperação é mais rápida. 

Entretanto, a adoção dessa técnica só é possível se a pessoa tiver uma quantidade de pele suficiente para cobrir o implante colocado. Caso essa pele não exista, a borda da prótese pode ficar aparente ou ser facilmente palpada. 

Posição submuscular

Diferentemente da anterior, nessa técnica as bordas da prótese tendem a ficar menos aparentes. Além disso, ela diminui um pouco o risco de contratura capsular. O implante fica protegido pelo músculo peitoral e o silicone não tem contato direto com a glândula. Elas também sofrem menos com a gravidade. 

É uma técnica comumente usada em quem tem pouco tecido glandular ou que são muito magras. Contudo, a contração do músculo peitoral pode fazer com que a prótese sofra certo deslocamento no período pós-operatório. Isso pode alterar o formato da mama. 

Além disso, como há maior interferência na posição dos músculos, a dor tende a ser maior durante o período pós-operatório do que nas posições submamaria e subfascial. A recuperação da cirurgia é mais lenta.

Tipo de incisão

Além da decisão de colocar silicone por cima do músculo ou por baixo, é preciso também avaliar o local da incisão pela qual a prótese será colocada. As possibilidades são as seguintes:

  • Via axilar: é feita uma incisão na axila para a colocação do silicone por cima do músculo ou por baixo. Essa é uma técnica comumente adotada em pessoas que têm tendência a ter queloide. Assim, mesmo que essa cicatriz fique aparente, ela ficará escondida embaixo do braço;
  • Implante inframamário: é realizada uma incisão no sulco que fica abaixo das mamas. Essa é uma das técnicas mais usadas e a cicatriz fica praticamente escondida. Por isso ,acaba sendo uma opção interessante para quem tem problema de cicatrização;
  • Implante periareolar: a incisão é realizada entre a pele da mama e a aréola, ou seja, a cicatriz fica ao redor da aréola. Embora seja interessante, não é sempre que pode ser feita. Se as aréolas forem pequenas, por exemplo, e as próteses grandes, não será possível introduzi-las por lá. Por isso, essa técnica é usada em mulheres que querem alterar o formato da auréola. 

Qual a diferença entre silicone por cima ou por baixo do músculo

Os dois músculos peitorais são protegidos pela chamada camada fascial. Por cima dessa camada ficam as glândulas mamárias. É chamada de  subglandular ou silicone acima do músculo quando o silicone é colocado abaixo da glândula mamária e acima do músculo.

Já no caso de colocar o silicone por cima do músculo o nome dado é de subglandular.  Ela permite a integração do implante aos tecidos da mama. É indicado para quem tem pele e gordura suficientes para que a prótese seja coberta. Isso dará mais naturalidade ao processo. 

Por fim, quando o implante fica abaixo do músculo recebe o nome de submuscular. É indicado para pessoas magras e que possuem muito pouco tecido. Nessas mulheres é preciso ter cuidado para que a prótese não fique marcando. Por isso, essa é a técnica mais usada. 

Como é a recuperação do implante de silicone por baixo do músculo?

Para evitar a percepção visual da prótese em mulheres maduras, chamada de efeito rippling, o silicone por baixo do músculo pode ser a técnica escolhida. Esse procedimento  também costuma ser adotado por pessoas que não desejam que o colo fique muito projetado após a colocação do silicone. 

Também é usado por mulheres com histórico de câncer, já que a prótese fica afastada das glândulas mamárias. Isso permite que uma eventual doença seja tratada sem que a retirada do implante seja necessário. 

Seja qual for o caso, a recuperação costuma ser um pouco mais lenta do que a técnica que coloca o silicone por cima do músculo. Isso acontece justamente porque nesse tipo de procedimento a musculatura é mais afetada. Assim, o pós-operatório além de mais lento tende a ser um pouco mais doloroso. 

Como é a recuperação do implante de silicone por cima do músculo?

Como o músculo não é distendido quando o silicone é colocado por cima do músculo, a recuperação tende a ser mais rápida e mais tranquila. Além disso, a pessoa sente menos dor. Essa tende a ser a técnica escolhida por quem quer ter os seios mais marcados.

Silicone por cima do músculo

Prótese submuscular e subglandular: qual escolher?

Embora todas as escolhas sejam conversadas e debatidas com a paciente, a decisão entre a prótese submuscular e subglandular é mais uma questão médica. O cirurgião vai avaliar a quantidade de tecido mamário, qualidade da pele, tipo físico da paciente e tamanho do implante a ser colocado.

A prótese subglandular ou abaixo da glândula mamária tende a ser a mais utilizada, por oferecer mais facilidade na hora de criar o “bolso” no qual o silicone será encaixado. Ela também oferece um pós-operatório mais confortável, bem como tem melhor controle de sangramento durante o procedimento. Claro que antes de optar por ela o profissional avaliará bem, para ter a certeza de que as próteses não ficarão à mostra, caso essa técnica seja adotada.

Submuscular 

Já a submuscular ou abaixo do músculo visa, principalmente, esconder a prótese. É adequada para quem tem pouca pele ou gordura. Afinal, o implante ficará coberto pelo músculo e corre menor risco do silicone ficar aparecendo. Assim, é indicada para:

  • Mulheres magras;
  • Mulheres com pouco tecido ou pouca gordura nas mamas;
  • Pessoas que possuem as mamas juntas na linha média;
  • Quem tem histórico de câncer.

O pós-operatório é mais doloroso do que no procedimento anterior. Contudo, a escolha entre as duas técnicas vai depender sempre da avaliação médica. Só o profissional que fará a cirurgia será capaz de pesar os prós e contras, conversar com a paciente e indicar o melhor procedimento. 

Outras possibilidades

Embora essas duas técnicas sejam mais ousadas, há outras possibilidades. A Duplo Plano (Dual Plane) é uma delas. Nela, a parte inferior fica abaixo da glândula mamária, enquanto a parte superior do implante fica coberta pelo músculo.

Há também a técnica de Divisão Muscular (Muscle-splitting), na qual a musculatura é separada ao longo de suas fibras. Isso acaba minimizando os traumas. Enfim, sempre há alternativas e o cirurgião plástico poderá avaliar qual delas é a mais adequada.

O que não fazer após o implante de silicone

Não importa se você colocou o silicone por cima do músculo ou por baixo. Para que o procedimento tenha sucesso é preciso ter muito cuidado no pós-operatório. Veja algumas dicas do que não deve ser feito. 

Não levante os braços

Independentemente da incisão ter sido feita próxima a auréola, embaixo da mama ou na axila, os braços não devem ser levantados. Eles devem ser mantidos junto ao corpo, sem colocar para frente  ou abrir para os lados. Use o antebraço para fazer as atividades do dia a dia. 

Não durma de lado ou de bruços

Na hora de dormir também é preciso se preocupar com a saúde e com a cicatrização. O indicado é que a pessoa operada durma com a barriga para cima, com dois travesseiros na parte superior das costas. Isso fará com que essa parte do corpo fique elevada.

Não apoie os braços ao levantar

Quando acordar e for sair da cama, não apoie os braços para não forçar a região suturada. Levante-se vagarosamente, usando a força da musculatura do tórax. Sente na cama, espere uns minutos e só depois se levante. Isso ajuda a evitar que sinta tontura e que possa cair. 

Não fique parada o tempo todo

É preciso ter cuidado com o pós-cirúrgico e com o local da incisão, mas isso não significa que você precise ficar deitada. Ante pela casa, vagarosamente, e sente-se sempre que cansar. Isso também é importante para a recuperação. 

Não deixe de se alimentar bem

Para uma boa recuperação é preciso que o organismo esteja funcionando bem. Assim, no pós-operatório é necessário ter uma alimentação saudável e garantir a ingestão de frutas, legumes e verduras. Beba muito líquido; Tudo isso é importante para o  funcionamento do intestino. 

Não se esqueça dos remédios

É possível que o médico prescrever anti-inflamatórios, antibióticos e outras medicações. Mesmo que a sua recuperação esteja boa, só pare de tomá-las quando o prazo indicado pelo profissional terminar. Isso é muito importante para uma boa recuperação. 

Enfim, independentemente da colocação do silicone por cima ou por baixo do músculo, é preciso seguir todas as recomendações médicas. Caso tenha qualquer dúvida, procure seu cirurgião.

Viu quantas informações importantes? Você já se sente preparada para a cirurgia? Então não deixe de conferir o nosso material sobre os tipos de cicatrizes e como tratá-las para minimizar e até diminuí-las. Confira!

tipos de cicatrizes