Diferenças entre equimoses e hematomas

É comum aparecer uma mancha roxa após uma pancada, um corte ou uma queda. Se isso já te aconteceu, provavelmente foi uma equimose, mas por muitas vezes chamada erroneamente por hematoma. Mas afinal, qual a diferença entre equimose e hematoma?

Tanto a equimose quanto o hematoma podem aparecer no pós-operatório de um procedimento estético ou médico, ou durante a cicatrização de um ferimento. As causas também podem ser diferentes.

Reunimos tudo o que você precisa saber para entender as diferenças, as causas e como tratar equimose e hematoma.

Equimose e hematoma: quais são as diferenças

Equimose é o termo médico e nome correto das manchas roxas mais comuns que aparecem e comumente chamamos de hematomas. Essas contusões se formam quando vasos sanguíneos superficiais são danificados e o impacto faz com que ocorra uma pequena hemorragia.

A equimose surge após o rompimento do vaso sanguíneo e com o tempo, sua coloração passa por aspectos esverdeados e amarelados antes de desaparecer naturalmente. Se apresenta em manchas irregulares, difusas e planas, não provocando elevações no local. 

O hematoma também é causado por rompimento de vasos sanguíneos, mas ocorre acúmulo de sangue no tecido, provocando um alto relevo. Dependendo do tamanho e localização, o hematoma pode precisar de intervenção cirúrgica para drenar o sangue.

Equimose causa dor?

A equimose geralmente é causada por contusão e a dor aparece com maior intensidade durante o impacto. Após isso, a área da lesão pode ficar dolorida e apresentar coloração roxa.

No entanto, para casos de lesões mais graves, como fratura de um membro, a dor aparece com maior intensidade, sendo necessária a imobilização do membro lesionado.

Para equimoses que aparecem após uma intervenção cirúrgica, a dor pode aparecer também com mais intensidade e duração, desaparecendo conforme o processo de cicatrização, assim como a coloração arroxeada e os inchaços.

Principais causas da equimose

A equimose sempre aparece em forma de manchas escuras, geralmente arroxeadas, que vão clareando conforme o passar do tempo, até sumirem normalmente. É muito comum aparecer após uma lesão ou um impacto, mas em alguns casos pode ser sinal de problemas mais graves, como baixa quantidade de plaquetas ou até outras doenças que precisam de atenção.

As causas mais comuns são:

1. Contusão

Contusões e lesões são as principais causas de equimose e aparecem depois de acidentes domésticos, impactos, quedas e outros motivos. Essas contusões provocam a ruptura dos vasos sanguíneos superficiais causando dores e manchas escuras, geralmente roxas, em qualquer região do corpo.

2. Cirurgias e intervenções estéticas

O pós-operatório pode apresentar hematomas e equimoses. Intervenções cirúrgicas como plásticas, lipoaspiração, rinoplastia ou abdominoplastia causam traumas mecânicos na pele através dos cortes e incisões, rompendo os vasos de sangue e causando pequenas hemorragias.

3. Fratura dos ossos

Ao quebrar um osso, o acidente provoca rompimento dos tecidos ao redor do osso e causando o aparecimento de equimoses na área fraturada. Quando a fratura ocorre nos ossos da face ou na base do crânio, leva ao aparecimento da equimose periorbital, uma mancha roxa ao redor dos olhos, popularmente conhecida como “sinal de guaxinim”. 

4. Varizes

As varizes, também conhecidas como meias varicosas, podem resultar em equimose porque os vasos sanguíneos apresentam maior fragilidade. É mais comum em idosos, obesos, gestantes ou em pessoas que ficam em pé por muito tempo.

5. Dengue

A infecção transmitida através do mosquito Aedes aegypti pode provocar alterações na coagulação do sangue. Nesses casos, geralmente a equimose é acompanhada por outro sintoma como dor no corpo, dor nos olhos, enxaqueca ou febre. Podem durar até 7 dias. 

6. Leucemia

A leucemia é uma doença causada pela diminuição da formação de glóbulos brancos pela medula óssea. A patologia interfere na formação de plaquetas e função normal da medula óssea, levando a sangramentos e aparecimento das equimoses.

O aparecimento frequente de equimoses na pele, sem a pessoa ter sofrido alguma contusão, pode ser sintoma de leucemia. É recomendado buscar auxílio médico para diagnósticos.

7. Hemofilia

É uma patologia rara que se caracteriza pela deficiência de fatores de coagulação, fundamentais para formar os coágulos e parar os sangramentos, evitando hemorragias graves. Os portadores de hemofilia podem apresentar manchas roxas na pele com mais facilidade, por isso devem evitar atividades físicas que possam causar impactos e lesões, ou situações que possam provocar sangramentos, como tatuagens.

8. Uso de medicamentos

Alguns medicamentos são anticoagulantes, como o ácido salicílico ou variaria e podem alterar o tempo de formação dos coágulos no sangue. O uso das medicações pode provocar o aparecimento de equimoses com maior frequência.

9. Plaquetas baixas

As plaquetas são fundamentais para a formação de coágulos, que são responsáveis por estancar os sangramentos, Quando uma pessoa apresenta a diminuição da quantidade de plaquetas, chamada de plaquetopenia ou trombocitopenia, pode ocorrer a equimose.

Equimose e hematoma: como tratar cada um

O tratamento de equimose e hematoma também são diferentes. Enquanto a equimose é um rompimento do vaso sanguíneo mais superficial, o hematoma é um rompimento mais profundo que pode provocar elevações na pele e manchas escuras. 

Tratamento de equimose

As equimoses resultados de lesões e contusões costumam desaparecer espontaneamente dentro de dias ou semanas. Para aliviar a dor na área afetada pode ser feito compressas frias ou com gelo no local onde ocorreu a lesão nas primeiras 48h. Após esse período, é recomendado fazer compressa quente e uso de anti-inflamatórios como ibuprofeno. 

Quando a equimose é resultado de algum procedimento cirúrgico, é preciso utilizar cintas de compressão para diminuir os inchaços e ajudar na cicatrização e recuperação. Drenagem linfática também pode ser realizada como tratamento pós-operatório, além de outros cuidados com cicatrizes pós-cirúrgicas.

Quando a equimose é resultado de uma fratura óssea, é essencial buscar ajuda médica para que a região afetada seja imobilizada imediatamente. Compressas frias ou gelo podem ser colocadas nas regiões lesionadas para diminuir inchaço e evitar o aparecimento das manchas roxas no local.

Equimose causada pelas varizes precisam ser tratadas com meias de compressão para reduzir as dores e prevenir o aparecimento de mais manchas escuras. Em casos mais graves, o tratamento deve ser realizado com injeções aplicadas no local das veias dilatadas ou cirurgias a laser. 

Em situações de equimose causada pelo uso de medicamentos pode-se realizar compressas frias no local para reduzir os sintomas e sangramento. Anticoagulantes exigem acompanhamento médico e exames de sangue periodicamente, evitando que a coagulação sanguínea seja descontrolada. No aparecimento de equimoses constantes e sem motivo aparente, o médico precisa ser consultado.

Pessoas que apresentam nível baixo de plaquetas precisam evitar exercícios físicos que possam causar lesões, pancadas e contusões. Para a trombocitopenia diagnosticada, é fundamental acompanhamento médico para controlar os níveis de plaquetas. Dieta rica em ácido fólico e vitamina B12 ajudam a reduzir o aparecimento da equimose, já que os nutrientes aumentam a formação das células do sangue e plaquetas. Pode ser feito o uso correto de cicatrizantes para ajudar pessoas com nível baixo de plaquetas.

Outras patologias que causam o aparecimento de equimose são leucemia, dengue e hemofilia. Para pacientes diagnosticados com leucemia precisa procurar um médico para realizar o tratamento com os medicamentos adequados, geralmente quimioterapia. Nesse caso, as manchas roxas podem ajudar a diagnosticar a doença já que é um dos primeiros sintomas.

Em casos de dengue, as equimoses acompanham sintomas como dores no corpo, cabeça e nos olhos, além de febre. Esses sintomas costumam durar aproximadamente uma semana. Quando apresentar sintomas de dengue, o paciente precisa procurar um médico para realizar exames diagnósticos e iniciar o tratamento com analgésicos e antitérmicos.

Os pacientes que apresentam hemofilia precisam evitar atividades físicas de impacto ou de contato, além de medicamentos como ácido acetil salicílico e corticoides como dexametasona ou betametasona. Nos casos mais graves de hemofilia, o paciente pode receber transfusões de sangue. O acompanhamento médico é essencial para controlar a doença.

Tratamento de hematomas:

O hematoma é diagnosticado clinicamente, podendo ou não ser realizado exame para auxiliar no diagnóstico, como em casos de hematoma intracraniano com algum comprometimento neurológico. Análises com ultrassom e ressonância também podem ser realizadas para auxiliar no tratamento e prognóstico.

O acompanhamento é feito por um médico especialista, segundo a área afetada. Para traumas cranianos, por exemplo, é preciso procurar um neurologista imediatamente. Para hematomas nos membros inferiores e superiores, é preciso buscar ajuda de um ortopedista.

Na maioria dos casos, os hematomas não precisam de atenção médica, somente em casos mais graves, quando há risco de acometer órgãos vitais, a mobilidade do paciente ou quando são muito grandes, precisam de acompanhamento.

Pode ser realizada uma compressa gelada no local do impacto por 15 minutos ou até aliviar a inflamação. Para hematomas no pescoço, deve-se manter a cabeça elevada, utilizando travesseiros ao deitar para que a dor não se intensifique. Compressas com água quente pode ser colocada no local da lesão após 24h e o calor acelera o processo de absorção do hematoma.

Há pomadas anti coagulantes, à base de heparina, são indicadas para pequenos sangramentos e diminuem a inflamação, alivia a dor e reduz o inchaço e manchas roxas nas áreas lesionadas.

Em casos específicos, as lesões são tratadas com aparelhos de LED, lasers, luz intensa pulsada ou ultrassom estético para evitar a pigmentação da pele e ajudar a eliminar o hematoma. Para hematomas pós-cirúrgicos, há tratamentos que são referência no processo de cicatrização.

Agora que explicamos todas as diferenças entre equimoses e hematomas, além de seus respectivos tratamentos, baixe o infográfico Tipos de Cicatrizes e entenda os melhores tratamentos para cada uma.

Os melhores artigos hospitalares para os seus cuidados você encontra na Servimedic.