Placas de contenção: como usar e a importância

As placas de contenção utilizadas após cirurgias são uma orientação dada pela maior parte dos cirurgiões após procedimentos como lipoaspiração e abdominoplastia. As placas servem para evitar marcas e ondulações na pele, prevenir e absorver seroma e fibrose, além de aumentar a absorção do inchaço.

Apesar de serem utilizadas sempre para evitar problemas após a cirurgia e ajudar a cicatrizar a área do corpo, há diversos tipos de placas. Cada tipo ajuda a comprimir uma parte do corpo e, com isso, auxilia na recuperação de maneira mais eficaz e segura. 

Neste artigo você saberá mais detalhes sobre as placas de contenção, indicação de uso e os tipos.

O que são placas de contenção?

placa abdominal

Antigamente, eram usadas revistas dentro de uma fronha embaixo da cinta para impedir essas dobras interferindo na cicatrização. A evolução disso foram as talas rígidas. E, hoje, as placas de contenção são itens pós-cirúrgicos usados para auxiliar no processo de recuperação do corpo

Elas podem ser utilizadas em várias partes do corpo e há modelos específicos para regiões do abdômen, costas, braços e culote. Com a espuma e formação anatômica, elas criam o cenário para uma recuperação bem sucedida após a cirurgia.

No caso das placas de contenção abdominal, elas devem ser usadas por baixo da cinta cirúrgica modeladora. Ou seja, em contato direto com a pele. 

Há pacientes que já saem da cirurgia com placas de contenção, outros que começam a utilizar após uma ou duas semanas. Há quem utilize por um mês e quem utilize por alguns meses. O tempo de uso varia de acordo com o corpo de cada paciente e deve ser seguido de acordo com as recomendações do cirurgião.

Como preservar as placas de contenção

Para serem preservadas, as placas precisam de alguns cuidados. Elas devem ser lavadas duas ou três vezes por semana, de forma manual e com sabão neutro. Produtos com cloro não devem ser utilizados. Ela deve secar à sombra e não deve ser passado ferro por ela. Após secar, é recomendado colocá-la na geladeira durante 30 minutos para hidratação dos fios.

As placas não devem ser colocadas em cima de feridas abertas, drenos ou orifícios e são de uso pessoal e exclusivo. Cremes e pomadas que podem comprometer a sua qualidade não devem ser utilizados. Se houver irritação, o seu uso deve ser suspenso e informado a um profissional qualificado.

Quando as placas de contenção são indicadas?

As placas de contenção para abdômen, costas, braços e culote são indicadas por profissional habilitado para áreas em que há flacidez e que necessitam de mais compressão do que a conseguida apenas com uma cinta. 

Elas são recomendadas após procedimentos como lipoaspiração, abdominoplastia, torsoplastia, lipoginecomastia. 

A placa ajuda a retrair a pele ao diminuir os espaços e impede que haja estiramento involuntário. Também são recomendadas para facilitar a cicatrização pós-cirurgia por facilitar a tração dos músculos e acomodar os tecidos, prevenindo de ondulações, seromas e hematomas. Elas são indicadas de acordo com o tipo de cada cirurgia e perfil do paciente.

A importância das placas de contenção no pós-cirúrgico

A maioria dos cirurgiões orienta seus pacientes a utilizarem placas de contenção no pós-operatório. Seja as que dão a volta no corpo ou as utilizadas em regiões específicas. Não há um tipo correto; o importante é seguir a orientação do profissional qualificado.

 

BENEFICIOS_RPG

Após cirurgias, o corpo passa por um processo de cicatrização. Em conjunto com a cinta, a placa de contenção é importante para criar pressão no local que passou pelo procedimento e ajudar em sua cicatrização, evitando o surgimento de hematomas e edemas.

Ao ser utilizada incorretamente, a placa pode provocar inchaço adicional e criar um aspecto irregular na pele. Além disso, pode facilitar o surgimento de fibrose. Importante no processo pós-operatório, as placas de contenção devem sempre ser utilizadas de maneira correta, conforme a orientação médica.

Utilizar a cinta sem a placa de contenção pode criar garrotes ou dobras, especialmente na área da cintura. Isso faz com que se acumulem inchaços em cima e embaixo da dobra, gerando fibrose no local. 

Dessa forma, o trabalho de drenagem após a cirurgia, que deve ser feito, é dificultado. A placa auxilia a cinta a comprimir o corpo e ajuda a não criar as dobras geradas pela cinta usada sozinha.

Quais os tipos?

Há dois tipos de placas de contenção, as mais rígidas e as mais flexíveis. As mais rígidas são, em geral, mais práticas e de menor volume, com estética comumente preferida entre os pacientes. Elas são utilizadas em áreas específicas. Costumam ser utilizadas em áreas do corpo com possíveis dobras, para gerar a compressão na área. Essa compressão serve para absorver melhor o inchaço e diminui a possibilidade de formar nódulos de fibrose.

Já as placas mais flexíveis têm maior tamanho e dão a volta pelo corpo.  Elas são de espuma e possuem versões inteiriças, que podem ser colocadas de forma a cobrir totalmente a área operada, comprimindo igualmente. A compressão contínua serve para diminuir o espaço morto, ajuda a retrair a pele e diminui as chances de acúmulo de líquido, além de também amenizar o inchaço.

Confira abaixo alguns tipos de placas de contenção e um pouco mais sobre cada uma delas.

Placa de contenção abdominal

A placa de contenção costuma ser aconselhada após uma lipoaspiração ou abdominoplastia. O acessório é feito com espuma ou material semi-rígido e é utilizado para proteger a área abdominal enquanto a cicatrização não acontece.

É utilizada com a cinta de compressão para controlar fibroses e inchaços pós-operatórios. O modelo deve ser escolhido após critérios médicos, assim como tempo de uso, que pode sofrer variações em cada caso.

Cinto de Contenção imobilizador de braços

O cinto de contenção imobilizador de braços é utilizado após operação de mamoplastia redutora, mastopexia ou prótese de mama. Ele faz com que os braços sejam fixados de forma suave e contínua ao tronco. Dessa forma, evita movimentos de abdução, extensão ou elevação e protege e não compromete o resultado da cirurgia.

Ao ser usado, ele impede que os músculos da região dos seios se movimentem e ajuda na cicatrização da cirurgia. Também auxilia no processo de regenerar os tecidos da região. Ao impedir a tração da pele, previne deiscências de sutura cirúrgica (quando bordos da ferida, unidos por sutura, se abrem e se afastam, elevando o risco de infecção) e alargamento de cicatrizes.

Evita hematomas, seromas, deiscências, quelóides, cicatrizes hipertróficas e necroses. Dessa forma, é utilizado para auxiliar na reconstrução das mamas e retalhos.

Ele é composto por um cinto torácico ligado a dois braceletes e apresenta regulagem de tamanho, para maior conforto, de acordo com as medidas do tórax de cada pessoa. O cinto deve ser mantido durante todo o dia, retirado apenas nos momentos de higiene pessoal. Ele costuma ser utilizado entre 15 a 30 dias após a cirurgia. Mas o tempo varia de acordo com o processo de cicatrização do paciente, seu tipo físico e porte da cirurgia.

Placa de Contenção para Culote

Quando é feita a cirurgia de lipo de culotes, para retirada da gordura localizada na região das coxas e quadris, também há placa de contenção ideal para o pós-operatório. 

Ela é utilizada no local onde existe flacidez e consegue oferecer maior compressão do que a cinta sozinha. Geralmente começa a ser utilizada após o primeiro curativo ser retirado e deve sempre ser usada com a pele bem seca.

Placa de Contenção para Costas

Trata-se de uma placa de contenção rígida para região sacral (base da coluna vertebral, próximo ao bumbum), cóccix, região lombar das costas. Como as demais, deve ser utilizada embaixo da cinta. 

As placas rígidas internas auxiliam a reduzir hematomas, edemas e formação de seroma. A sua estrutura permite a respiração da pele, auxiliando na cicatrização saudável.

Em resumo...

Agora você já sabe de toda a importância das placas de contenção no pós-operatório. Elas evitam que a cinta dobre e cause irregularidades neste período de recuperação, além de ajudar a circulação do sangue, que poderia ser comprometida com as dobras. Ao ser usada com a cinta, otimiza a compressão e cria a pressão ideal no corpo durante todo este período. 

Independente do tipo de placa de contenção, rígida ou flexível, ela sempre deve ser utilizada por baixo da cinta e durante 24 horas, retirando apenas para tomar banho, como mencionado. Ou seja, é importante dormir com a placa. Ao utilizar a cinta sem a placa, há o risco de surgimento de dobras, especialmente quando a cirurgia foi feita na área do abdômen. Também pode existir a chance de surgimento de fibrose.

Por isso, não esqueça: as placas devem ser sempre utilizadas com a pele bem seca, devem ser bem posicionadas entre a cinta e a pele e o seu uso deve ser iniciado no período recomendado pelo médico. Também não esqueça de optar por modelos de tamanho adequado ao seu biótipo para melhores resultados.

E para manter não apenas a sua estética como também a qualidade e eficácia do produto, as placas devem ser higienizadas com frequência, em água fria e à mão.

Que tal agora descobrir algumas dicas de uso das placas de contenção no dia a dia?

colocar cilicone